fbpx
Marketing

7 erros que ultrapassam os limites do marketing médico

7 erros que ultrapassam os limites do marketing médico

Você se considera preparado para lidar com clientes na era digital? A maioria dos profissionais de medicina ainda não consegue aplicar uma estratégia de marketing médico adequada.

Porém, se você consegue se relacionar bem com outros profissionais em congressos e cursos da área, mas não tem a capacidade de encher o seu consultório com clientes, algo deve estar errado.

Por isso, preparamos este artigo. Com ele, você vai perceber os principais erros que ultrapassam os limites do marketing médico. Acompanhe!

1. Não ter um website

Pacientes que procuram por um especialista esperam que, no mínimo, ele possua um site. Ter um website é uma forma que o médico tem de se destacar entre os outros profissionais.

É dessa forma que você será encontrado pelos clientes. Entretanto, os seus esforços não devem se resumir a isso. O smartphone se consolidou como o principal meio de acesso a internet e, além de você, centenas de outros profissionais já descobriram que precisam marcar presença no meio digital.

Por isso, siga essas dicas para se destacar:

  • tenha um site responsivo, adaptado aos dispositivos móveis;
  • invista em técnicas de SEO para melhorar o posicionamento do seu conteúdo em buscadores como o Google;
  • mantenha o seu site atualizado com informações úteis para os seus pacientes, como contatos, artigos, agendamentos online e um FAQ.

Imagine quantas pessoas buscam por “ortopedistas em Brasília”, por exemplo. Existem técnicas que podem ser usadas para você figurar entre os primeiros resultados dessa busca. Uma delas é o SEO (Search Engine Optimization), como mencionamos.

Mas você sabe como tirar proveito disso?

Elabore uma estratégia com palavras-chave. Para isso, pense nas palavras que os clientes buscam para chegar até você e as insira naturalmente no conteúdo do seu site. Outras dicas são:

  • produza conteúdo relevante: isso é a base de uma boa estratégia de SEO;
  • disponibilize artigos interessantes para os seus pacientes no seu website;
  • utilize links internos que levem o cliente a outros conteúdos publicados por você;
  • feche parcerias e ofereça links externos de qualidade, isso vai lhe garantir certa autoridade e melhorar o seu ranqueamento.

2. Não ter um perfil no Google Meu Negócio

A Google dispõe de um serviço prático e gratuito para ajudar os clientes chegarem até você.

Ao cadastrar o seu consultório no Google Meu Negócio, você disponibilizará informações como horários, rotas para chegar até o seu consultório e até mesmo avaliações de outros pacientes que já se consultaram com você.

Com isso, é possível conseguir insights para otimizar o seu atendimento e expandir cada vez mais as atividades do seu consultório.

3. Não investir em marketing pessoal

Um profissional que deseja se sobressair entre os demais precisa ter uma marca própria. O médico acaba se tornando uma marca na internet e, por isso, investir em marketing pessoal é tão importante.

O marketing pessoal é, basicamente, um conjunto de técnicas para agregar valor à sua imagem. Veja as principais delas:

  • cuidar da sua imagem pessoal;
  • construir uma rede de relacionamentos profissionais, como convênios com outros consultórios;
  • ser visto, seja por meio de artigos acadêmicos, de webnars periódicos ou de participação em eventos;
  • ter um objetivo, pois isso vai ajudar a definir os seus próximos passos.

4. Não ter perfil nas redes sociais

Muitos profissionais confundem este tópico. Não basta criar uma conta e não usá-la de maneira profissional. Quando sentirem a necessidade de contratar um médico, os clientes vão dispor dos recursos que têm em mãos, e acreditem, eles gastam muito tempo nessas redes.

Confira alguns dados da pesquisa “Futuro Digital Global em Foco Brasil”, da comScore:

  • os brasileiros lideram a lista dos países que mais passam tempo nas redes sociais, com média de 60% a mais que o resto do mundo;
  • a média de permanência do brasileiro, por acesso, é de 21,3 minutos;
  • as redes sociais englobam 78% do total de usuários brasileiros.

Portanto, crie uma conta em redes como Facebook, Instagram e LinkedIn. Prefira separar o seu perfil pessoal do profissional e mantenha este segundo sempre atualizado. Faça publicações sobre o seu consultório e inclua horários de atendimento e dicas de saúde.

E o mais importante: sempre esteja disposto a responder os interessados com prontidão e profissionalismo.

5. Não seguir a ética digital

Na busca por acessos e pacientes, alguns profissionais acabam negligenciando a ética na internet. Isso é um grave erro que acaba com qualquer estratégia de marketing médico.

Confira algumas dicas do que não fazer:

  • vincular o seu nome a qualquer material de propaganda na internet;
  • publicar artigos sem nenhum rigor científico;
  • oferecer consultoria médica pela internet;
  • usar técnicas apenas para se promover;
  • induzir a confusão na cabeça dos pacientes ao anunciar que trata de algo além da sua especialidade;
  • propagar um método não aceito pela comunidade científica.

Lembre-se de que a internet não é uma terra sem lei. Você precisa manter uma postura ética caso deseje manter um consultório por muito tempo.

6. Não se importar com as avaliações negativas na internet

Muitos profissionais não permitem avaliações nas suas páginas do Facebook, por exemplo, por acreditar que comentários negativos podem ser prejudiciais para a sua imagem.

Mas os clientes não devem ser subestimados. Eles preferem um profissional que disponha de uma série de comentários em sua página àquele que fechou o campo de comentários para os pacientes.

Outro ponto positivo de se importar com as avaliações, principalmente as negativas, é aprender com elas e melhorar os seus pontos negativos. Dessa forma, você evita problemas futuros e cuida para que o seu consultório ofereça sempre o melhor serviço.

7. Não investir em marketing médico

Você até pode limitar a divulgação do seu consultório ao meio digital. Porém, é preciso também estudar como você pode atrair pacientes de outras formas e qual o investimento necessário para isso.

Outros meios de divulgação offline que funcionam são folders com informações gerais como preços das consultas e cartões de visita com os seus contatos e horário de atendimento.

O seu consultório também pode dispor de programas de fidelidade e de prontuários médicos eletrônicos. Isso serve como um diferencial para a sua clínica.

Fechar parcerias com negócios que possuam relação com sua especialidade também é uma boa estratégia de marketing médico. Se você é um nutricionista ou esteticista, por exemplo, deixe o seu material de divulgação em academias e consiga vários clientes!

Esse conteúdo foi útil para você? Agora que você já sabe os erros que não deve cometer no marketing médico, aprenda sobre os 3 pilares que fazem toda a diferença na gestão de uma clínica!

Deixe seu comentário