fbpx
Automação Gestão Tecnologia

4 curiosidades sobre o prontuário eletrônico

4 curiosidades sobre o prontuário eletrônico

Prontuário Eletrônico do Paciente, ou PEP, é um sistema digital médico que consiste em registrar de forma eletrônica as informações de pacientes em um banco de dados virtual.

Nele são depositadas informações computadorizadas de um indivíduo, referentes ao seu estado de saúde e cuidados durante toda sua vida. O prontuário eletrônico é armazenado em nuvem e podem ser acessado por múltiplos usuários.

Conheça, agora, 4 curiosidades sobre essa ferramenta bastante útil na gestão médica.

1. Quando e onde surgiu o prontuário eletrônico?

Prontuário vem do latim “promptuarium” e significa “lugar onde são armazenadas coisas que podem precisar ser acessadas a qualquer instante”. Os primeiros surgiram nos Estados Unidos, nos anos 60.

Trata-se de um sistema que engloba diversos tipos de dados de um indivíduo em um único banco de dados e em tempos diferentes, realizados por distintos profissionais médicos de locais variados.

Nos anos 80, houve um crescimento na informatização dos prontuários, até que, em 1991, o Institute of Medicine (IOM) publicou um relatório solicitando que as fichas de papel fossem substituídas por registros eletrônicos, em até 10 anos.

Certamente sabemos que isso se cumpre hoje em dia, mas ainda com uma evolução lenta — mesmo em 2017, esse objetivo ainda não foi totalmente alcançado.

2. Como foi a ascensão do prontuário nos EUA?

Os EUA e os países da Europa são os que mais se destacaram na questão do uso dos prontuários eletrônicos em suas unidades de saúde, sendo os primeiros a utilizar esses sistemas.

Inicialmente, eles tinham o propósito de melhorar a comunicação entre os setores de um hospital, porém, depois passaram a arquivar informações de pacientes.

No ano de 1972, houve um congresso patrocinado pelo National Center for Health Services Research and Development e o National Center for Health Statistics dos Estados Unidos, que tinham como meta o estabelecimento de uma estrutura mínima para o armazenamento de registros médicos ambulatoriais. Logo depois, apareceram os primeiros prontuários eletrônicos.

Em toda a rede pública e privada dos EUA, já existe um avançado sistema de TI que possibilita a utilização desses sistemas em larga escala, tanto que, em 1997, os prontuários eletrônicos já eram usados em cerca de 70% dos hospitais.

3. Quando a tecnologia chegou ao Brasil? E quantas cidades utilizam esse sistema?

O prontuário eletrônico foi implementado no Brasil no ano de 2002, quando suas características foram definidas na resolução 1638, pelo Conselho Federal de Medicina. Todavia, apesar de já estar em pleno funcionamento no Brasil, essa ferramenta ainda está para ser aprimorada e encontra-se em etapas de desenvolvimento.

Isso se deve ao fato de que a tecnologia na área de saúde e hospitalar ainda é desuniforme no país, e, por este motivo, os prontuários eletrônicos ainda encontram barreiras para serem informatizados.

Mas, apesar disso, esse tipo de sistema já está sendo implementado em todo o Brasil: cerca de 2.060 municípios já utilizam o prontuário eletrônico para transmitir dados, com cobertura de 57,5% de toda a população brasileira.

Inclusive na Bahia, a Santa Casa de Misericórdia já adotou o prontuário eletrônico, sem o uso de papel, e toda a sua documentação é emitida por meio de certificação digital.

É certamente um avanço que beneficia tanto os pacientes quanto os profissionais de diversas áreas, como médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, fonoaudiólogos, entre outros.

Se você deseja que o seu hospital ou clínica implemente o sistema de prontuário eletrônico, você precisa procurar uma AC (Autoridade Certificadora) que seja vinculada ao ICP-Brasil.

4. Qual é a importância do prontuário eletrônico para o paciente?

Os prontuários eletrônicos funcionam da seguinte forma: as informações clínicas e administrativas dos pacientes são coletadas e registradas em um dado formato, que permite o armazenamento online, a fim de que tal registro possa ser distribuído entre as clínicas, hospitais e laboratórios, e compartilhado com profissionais de saúde.

Hoje em dia, o prontuário eletrônico é indispensável para os pacientes. Conheça mais vantagens:

  • rápido acesso aos dados de pacientes;
  • otimização do processo de tomada de decisões;
  • melhoria da legibilidade de dados;
  • segurança — possuem backup, o que garante uma melhor e mais confiável segurança de dados contra danos e perdas;
  • funcionalidade — pode ser utilizado e editado por vários funcionários ao mesmo tempo;
  • acesso remoto;
  • agilidade no preenchimento de dados.

Os prontuários eletrônicos têm a capacidade de atualizar facilmente os registros de pacientes com dados clínicos, como pressão sanguínea, glicose, entre outros.

Suas funções vão mais além: podem monitorar constantemente os pacientes, mostrando como eles reagem a medicamentos e vacinas.

Além de tudo, uma das melhores vantagens é a portabilidade, pois os dados podem ser acessados de qualquer lugar, por meio da ligação com a internet e de qualquer dispositivo, como smartphones.

Não há a necessidade de repetir dados para cada médico, pois todo o histórico do paciente e resultados de exames laboratoriais ficam registrados para futuras consultas no mesmo ou em outros estabelecimentos médicos.

O prontuário do paciente é bastante valioso, possui sigilo absoluto e é legal, tendo em vista que qualquer extravio ou consulta indevida aos seus dados é passível de punição jurídica — com a possibilidade da abertura de Boletim de Ocorrência para esses casos.

Os prontuários ajudam a esclarecer dúvidas de exames e informam sobre terapias que o paciente deve seguir, além de servirem para melhorar a comunicação entre os médicos, pacientes e seus familiares.

Vantagens para os profissionais de saúde:

  • rapidez de acesso;
  • acessível a múltiplos usuários;
  • melhora na comunicação, o que amplia a possibilidade de compreensão pela equipe médica dos dados contidos nos prontuários;
  • aumento da eficiência e melhorias no fluxo de trabalho;
  • documentação mais clara e legível;
  • diminuição do uso de papel.

Apesar de ainda haver dificuldades para implementar esses sistemas no Brasil, é de suma importância que o prontuário eletrônico comece a ser utilizado com a finalidade de identificar os pacientes, agilizar processos, evitar erros, facilitar a gestão dos serviços, melhorar a comunicação e favorecer o compartilhamento das informações e laudos de exames.

Entre em contato conosco e solicite um teste gratuito de nosso sistema de prontuário eletrônico! Temos certeza de que apreciará essa inovação para seu estabelecimento médico.

Deixe seu comentário